A importância da dor

importancia da dor

Acredito que nenhum de nós faz questão da companhia dela. Tentamos fugir de qualquer coisa que se relacione com esse tipo de sentimento. Planejamos a nossa vida pautada na felicidade e é em busca dela que vamos, todos os dias. Mas, meus caros, a dor, além de fazer parte da nossa vida tanto quanto a alegria, nos é necessária.

Já ouviram dizer que ‘’mar calmo nunca fez bom marinheiro’’? Pois é. Essa, além de ser uma das minhas frases preferidas, pode nos ajudar nessa reflexão: na nossa vida, os momentos de dor nos ensinam muito e acabam nos tornando pessoas melhores. Quando passamos por alguma dificuldade, repensamos toda a nossa trajetória e o que temos feito até então, o tipo de pessoas que temos sido – desde com os vizinhos até com os amigos mais próximos -, e muitas vezes, descobrimos que podemos ser melhores. Podemos nos dedicar mais, amar mais, lutar mais, sonhar mais. E então, saímos dessa grande tempestade mais fortes e decididos a buscar uma vida melhor. Percebem?

Quando perdemos alguém importante, descobrimos o quanto devemos valorizar aqueles que estão ao nosso lado; quando não passamos em algum tipo de teste, entendemos que, talvez, devíamos ter nos dedicado mais; quando temos um dia ruim, aprendemos o quanto devemos valorizar os dias bons. E por aí vai… Os momentos de alegria também podem nos ensinar muito, pois quando estamos sentindo a plenitude da vida, podemos então entender o que é a gratidão. Mas, nos momentos difíceis, torna-se mais fácil enxergar o que precisamos mudar e partir para o próximo desafio muito mais decididos.

‘’Esse é o problema da dor, ela precisa ser sentida.’’ E, além de ser sentida, é muito bom quando conseguimos tirar dela uma lição de vida valiosa, que podemos carregar conosco. E então, olhar para trás e ver que superamos mais um desafio que a vida nos colocou. A dor ensina muito!

Com carinho,

Júlia Groppo

Por julia às 31.01.16 395 comentários

395 Comentário em “A importância da dor”

Deixe seu comentário

A felicidade é aqui (e agora)
A tal da criatividade
O ”ponto morto” da vida tem seu valor
Sobre fios, fases e metamorfoses