Sobre sonhos e a vontade de realizá-los

dream

Falar sobre sonhos é algo que eu gosto muito. Acredito que sonhar é o presente mais lindo que podemos dar a nós mesmos; isso de viajar por aí sem ao menos sair do lugar é tão mágico e, muitas vezes, é o que nos dá energia suficiente para seguir em frente. É que se a gente acredita, meus caros, descobrimos que podemos realizar tudo o que quisermos e essa é a coisa mais mágica da vida.

Desde pequena fui ensinada a sonhar. E sou muito grata por isso, pois sei o quanto esse meu exercício diário me faz bem. Um dia me disseram que eu poderia ser quem quisesse e que poderia alcançar muitas coisas na vida se tivesse essa mania boba e maluca de imaginar a minha vida da forma que mais me encantasse. Bem, eu acreditei, e até hoje levo essa certeza comigo, porque para mim, nada se compara à sensação de realizar um sonho.

Mãos tremendo, olhos cheios d’água, coração acelerado, sorriso largo, sentimento único de dever cumprido. Plenitude. Imensidão.

É assim que me sinto e é por isso que não largo mão de nenhum deles. Guardo-os com muito cuidado e carinho, para que eu nunca me esqueça do que me faz levantar todos os dias e querer buscar sempre o melhor. Porque quando a vida aperta aqui e ali, nos traz tempestade, turbulência, sofrimento e medo, o que me salva são os meus sonhos. Cada um deles. É o que me dá aquele empurrão necessário para seguir em frente, o que me dá energia, o que me faz ter, ao fim dos meus dias, a sensação de que tudo valerá a pena logo à frente. Ou seja, os meus sonhos são o meu combustível.

Eu não abro mão de nenhum deles, pelo contrário, tento adaptá-los. Se não deu certo do jeito A, pode dar pelo B, C, D e temos um alfabeto inteiro pela frente. Se eu não puder realizá-los de tal forma, que seja de outra, mas que eu não desista. Desistir, definitivamente, não é uma palavra do vocabulário dos sonhadores de plantão. E eu te aconselho a fazer o mesmo: não desista, mude a direção, adapte o sonho, revolucione-o, mas jamais o deixe de lado ou mesmo deixe que te convençam de que não vale a pena. Porque vale, e muito, e só você é quem sabe o valor que aquilo tem para a sua vida.

As pessoas não entendem, olham torto e até debocham, mas um sonho é algo tão pessoal que, realmente, ninguém vai entender, e tudo bem, porque é seu, é você quem luta por ele, se esforça por ele e faz suas escolhas pautadas nele. Tudo bem se as pessoas não entenderem, o único que precisa entender e estar bem com isso é VOCÊ. Te digo isso porque, faça chuva ou faça sol, eu sei que terei os meus sonhos. A vida – ou mesmo as pessoas – podem tirar tudo de mim, menos eles, pois sempre estarão dentro do meu lugar mais especial: meu coração. E só sairão de lá para serem realizados. Também só eu sempre terei a dimensão do que fiz, do que precisei abdicar e de todos os sacrifícios que vivi para realizá-los.

“Nunca deixe que lhe digam que não vale a pena acreditar no sonho que se tem” até porque, “A wish is a powerful thing, especially when it comes from the heart”

Obrigada Renato Russo e Tio Walt Disney, vocês são grandes exemplos disso para mim. E se me dizem sempre para eu continuar acreditando, eu não vou discordar, pelo contrário, farei sempre o possível e o impossível, porque, ao fim do dia, só eu sei o tanto que me faz bem essa mania louca de sonhar.

Com carinho e um coração cheinho de sonhos,

Júlia Groppo

Por julia às 17.02.16 452 comentários

452 Comentário em “Sobre sonhos e a vontade de realizá-los”

Deixe seu comentário

A felicidade é aqui (e agora)
A tal da criatividade
O ”ponto morto” da vida tem seu valor
Sobre fios, fases e metamorfoses