Todos os dias

Um dos meus trechos favoritos da Bíblia diz o seguinte: “Não se preocupe com o dia de amanhã, pois ele terá suas próprias preocupações. Basta a cada dia a própria dificuldade”. Para uma incorrigível ansiosa, funciona quase como um mantra e já me ajudou em muitos momentos onde minha cabeça pensava apenas nos próximos passos. Taí uma coisa cansativa, né? Viver sempre esperando por algo.

Esperando para ser feliz quando tudo estiver extremamente bem e todos os problemas sumirem.

Ledo engano e um grande erro, meus amigos.

É verdade que devemos nos preocupar com o futuro, afinal, o que fazemos agora refletirá em quem seremos; mas, como minha mãe sempre diz, tudo em excesso faz mal, de alguma forma. É por isso que, quando a ansiedade tenta fazer morada, passei a fechar os olhos, respirar fundo e pensar comigo mesma “a Júlia de amanhã lida com isso, a de agora já tem as suas preocupações”. E, além das preocupações – aquelas que não escolhemos, mas que chegam até nós e com as quais precisamos lidar cara a cara -, a verdade é que passei a investir toda a energia em ter medo do futuro em enxergar os melhores detalhes do meu dia a dia.

Porque esse dia difícil vai passar e então outros chegarão, com dificuldades diferentes. A felicidade não pode ser sentida apenas quando tudo estiver bem, porque, preciso ser sincera: alguma coisa sempre não vai estar bem. Entendi, a duras penas, que a vida é uma mistura do que acontece com a gente com aquilo que fazemos acontecer. Pode ser bastante cansativo viver esperando para ser feliz. Por isso,  decidi ser feliz agora – e todos os dias. Você pode estar dizendo a si mesmo que essa ideia é maluca e impossível, mas eu preciso ser teimosa o suficiente e te dizer que a vida é boa até quando não é. Entende? Mesmo nos momentos mais difíceis, ela está dando a oportunidade de aprendermos algo e nos tornarmos mais fortes, porque sabe-se lá o que vem pela frente.

Quando você aprende que dá para encontrar felicidade até em meio ao caos, a coisa toda fica mais leve. De uns anos para cá, passei a me desafiar a encontrar a bendita nos momentos mais simples, nos detalhes do dia a dia  e até naqueles dias em que não dá vontade de sair de dentro de casa.

Hoje em dia, não preciso me esforçar tanto assim: todo dia tem, ao menos, uma coisa boa com a qual nos presentear. E se de repente a vida não estiver sendo tão boa assim com você, seja teimoso, assim como eu, para dar-se ao luxo de tornar o seu dia bom, com qualquer coisa que te faça bem. Repara bem no que está ao seu redor – as coisas e as pessoas nunca estão ali por acaso, e a beleza delas, elas apenas precisam de um pouco do seu tempo para serem reparadas.

Peça um delivery para jantar, vá andar por ai sozinho, passe na padaria mais próxima e compre um doce, chame aquele amigo para conversar sobre tudo – ou até sobre nada -, use o seu melhor look, ligue para alguém que mora longe, tome um banho bem quente, vá ao cinema sozinho, comece uma série nova, coloque música bem alta no seu carro, olhe para o céu, faça o seu mapa astral, fale sozinho, use batom vermelho, vá atrás de alguém com quem não conversa há muito tempo, reveja fotos antigas, lembre-se, mais uma vez, de quem você é.

Invente. Reinvente o seu dia a dia. Valorize o que está bem na sua frente. Construa uma nova forma de enxergar a vida.

Eu prometo que não é difícil encontrar a felicidade. E, como dizem por aí, “felicidade se acha é em horinhas de descuido”. O futuro pode até continuar parecendo interessante, mas o presente vai se transformar em tudo aquilo que você mais quer usar ao seu favor.

Basta a cada dia a própria dificuldade – e ao menos uma felicidade.

Estamos combinados?

Júlia Groppo

Por julia às 14.10.18 1.405 comentários

Comments are closed.

Ano novo, vida nova?
O que você deixou cair pelo caminho?
Minha primeira tatuagem
Prometa-me desacostumar