Sobre expectativas

“Não crie expectativas. Elas não servem para nada”.

Li dia desses e veio como uma flechada, daquelas bem certeiras. Senti a indireta, tá, vida?! Tô sabendo… Mas, se é tão óbvio assim, se a danada faz tão mal, magoa, faz doer, chorar, sofrer, por que a gente insiste em criar? Sabemos bem onde vai dar.

A verdade é que costumamos idealizar um tanto de coisa nessa vida. Coisas, momentos e pessoas. A vida em si pode ser uma total idealização, se assim você permitir – e é aí que mora o perigo. Nada (e nem ninguém!) vai ser exatamente como desejamos. As coisas são o que são, assim como as pessoas.

Então, porque nós, seres humanos (lê-se totalmente imperfeitos), insistimos em desejar coisas perfeitas, redondinhas, sem eiras nem beiras? Coisa louca que é cobrar do universo e do outro uma perfeição que nem a gente pode oferecer. Mais louco ainda é pensar que tudo seria bom se realmente fosse totalmente controlável. A gente cresce é em meio às adversidades. Eu acredito, inclusive, que existe um propósito maior por trás de cada uma delas.

De sacudir, fazer pensar, recalcular a rota. Afinal, somos lugar de eterno recomeço.

A tal da expectativa já me levou para lugares horríveis, como ficar cega diante de tudo aquilo que está bem a minha frente: a minha vida como ela é. Porque bom mesmo é a gente abraçar as coisas como elas são – e, digo mais, devem ser. É a tal da verdade que eu busco, todos os dias. Estar aberto ao processo, seja ele como for. Doa a quem doer. E dói, hein? Fácil não é. Mas, vou te contar uma coisa: ninguém disse que seria.

Eu sempre brinco que o lance é sair deste plano melhor do que a gente entrou. E dá pra melhorar um tanto. Só que é um desafio diário, step by step, a passos de formiguinha. Mas, sinceramente? Não importa. O que importa é que estamos tentando; o progresso existe. E que venham novas expectativas para que sejam quebradas por nós mesmos. Para que a gente vá descobrindo, aos pouquinhos, que o que tem preparado para nós lá fora é o melhor que podíamos receber.

Afina, a vida não é o que achávamos, nem nada daquilo que nos disseram. É muito melhor que qualquer expectativa que criamos.

Tô com você nessa. Sozinho ninguém está.

Júlia Groppo

Por julia às 27.04.19 395 comentários

395 Comentário em “Sobre expectativas”

Deixe seu comentário

De mãos dadas comigo mesma
O processo (é o que mais) importa
O que aprendi com o coronavírus
Algumas coisas que descobri sobre a vida