2020

Engraçado como o Ano Novo nos invade, sem pedir nenhuma licença, e desperta em nós tantos sentimentos. Conversando com amigos nos últimos dias, posso descrever aqui as mais variadas sensações que decidiram fazer morada em nós. E a verdade é que eu acho linda a forma como somos tomados. Tudo muda e, ao mesmo tempo, nada mudou. Faz sentido?

É como se, de repente, tudo fosse dar certo. As coisas ficam mais fáceis, os sonhos mais possíveis, o coração mais leve. É esperança para dar e vender. Mas talvez a graça seja justamente essa, não fazer sentido nenhum. Todo o mistério e a sensação de posse do novo que envolve essa virada no calendário tem que apenas ser sentida mesmo – e aproveitada como uma espécie de presente do universo!

Talvez seja apenas uma desculpa para aprendermos a deixar, de uma vez por todas, algumas coisas para trás, e a também dar atenção para as tantas outras que nos esperam logo a frente. E tudo bem, porque o que eu desejo neste novo ano é que possamos recomeçar todas as vezes que forem necessárias. Que possamos ser tomados por essa vontade de fazer melhor e diferente e criar todos os tipos de “Ano-Novo” que julgarmos bem-vindos, seja dentro ou fora de nós. Seja janeiro, março, julho ou setembro.

Se for preciso, criaremos todas as desculpas possíveis. E então, vestiremos branco (ou qualquer que seja a nossa cor preferida!), brindaremos, faremos orações, rituais, promessas, uma nova lista de metas, e por aí vai. Ou apenas respiraremos fundo sabendo que um novo ano – ou uma nova chance – está nascendo.

O importante, aqui, é que você saiba que pode criar um Ano Novo todinho seu sempre que precisar.

Que assim seja.

Júlia Groppo

Por julia às 03.01.20 68 comentários

68 Comentário em “2020”

Deixe seu comentário

E se a gente tivesse tempo?
Você se faz feliz?
Conselho de vó
De mãos dadas comigo mesma