Enfrente

Certa vez, estava assistindo um episódio de uma série, na qual um dos personagens estava passando por uma situação bem difícil. Ele tinha que relembrar momentos de um trauma que havia sofrido em prol de uma investigação, mas passou meses e meses evitando aquele reencontro com o passado.

Foi aí que, ao encontrar outro personagem da trama, ele recebeu o seguinte conselho: ”Enquanto você evitar contato com o seu problema, a sua mente irá recriá-lo de diversas formas, te fazendo sofrer mais que o necessário, usando as lacunas vazias que você deixou aí para preenche-las com o que ela preferir. E isso pode causar sentimentos ainda maiores e mais difíceis”.

Desde então, tenho trazido esse lembrete comigo. Ele se tornou mais um daqueles da minha coleção de favoritos. Isso porque é muito comum nos pegarmos fugindo de algo que nos machuca. Nossa primeira reação é evitar (o famoso ”fingir que não é comigo”). Mas, se querem saber, nunca vi alguém resolver um problema ignorando-o. A verdade é que a gente se engana, pois estamos apenas adiando a coisa. E, arrisco dizer, dando a ela um poder muito grande sobre nós.

Não adianta ignorar a ferida, pois ela vai continuar existindo. Numa dessas, você está deixando de lado uma parte sua, que é parte também da sua história, afinal, tudo o que passamos e enfrentamos nessa vida nos forma como seres humanos, constrói os nossos pedacinhos. É importante olharmos para as nossas sombras de frente, o que não significa que não dará medo algum. É com medo mesmo que a gente vai; mas vai, entende?

Por experiência própria, posso dizer que o personagem da série tinha razão. A nossa mente cria cenários e vai para lugares catastróficos quando preferimos ignorar um buraco que se abriu dentro de nós, seja lá qual for o motivo. Portanto, agora vai aqui o meu conselho: respire fundo, busque ajuda sempre que necessário, mas não deixe de ”olhar nos olhos” do seu problema e enfrenta-lo.

Júlia Groppo

Por julia às 24.01.20 67 comentários

67 Comentário em “Enfrente”

Deixe seu comentário

De mãos dadas comigo mesma
O processo (é o que mais) importa
O que aprendi com o coronavírus
Algumas coisas que descobri sobre a vida