Sua verdadeira casa

Já parou para pensar que o seu corpo é um lugar do qual você nunca vai sair? Podemos nos retirar de locais que não nos fazem bem, deixar o emprego que não traz mais prazer, abandonar companhias que não fazem mais sentido, mas este espaço, em especial, sempre ocuparemos. Certa vez, assistindo a um TED, ri ao ouvir a palestrante dizendo que estava precisando tirar férias de si mesma; foi então que decidiu viajar para a África e, já no avião, se deu conta: ela estava indo junto (rs).

Quando descobri que meu corpo é o meu principal lar neste mundo, um lugar que ocupo 100% do tempo, passei a buscar maneiras de tornar essa moradia um espaço cada vez mais gostoso para estar. Se eu estarei pra sempre comigo mesma – e essa talvez seja uma das únicas certezas que tenho nessa vida -, como deixar esse relacionamento o mais saudável possível? Como deixar cada vez mais confortável viver dentro de mim?

De início, posso dizer que é preciso nos vigiarmos. Em algumas fases da nossa vida, podemos nos tornar os nossos maiores inimigos. Eu mesma já fui a própria pedra no meu sapato, e não há nada mais frustrante que estar em um lugar onde você não se sente bem, ainda mais se esse lugar for você mesmo. Invista em autoconhecer-se.

Ao entender melhor como está esse relacionamento, também entenda que, assim como uma casa, nós precisamos passar por algumas reformas e faxinas. Fazer ajustes aqui e ali, mudar a decoração e trocar os móveis de lugar são pequenas atitudes que deixam o nosso lar mais bonito e confortável. Experimente fazer o mesmo com os seus sentimentos, pensamentos e tudo o mais que você tem guardado aí dentro. Procure também dar ouvidos aos sinais que o seu corpo está te enviando. Assim como uma casa precisa de cimento, argamassa e rejunte, nós precisamos de carinho, cuidado, paciência e atenção, principalmente de nós mesmos.

O mundo pode ser um lugar bem cruel, em muitos momentos. As pessoas, também. Faça com que o seu corpo seja um lar seguro para você. Afinal, o seu relacionamento mais sério nessa vida é com você mesmo. E o que eu mais desejo é que você possa sempre se sentir ”em casa”.

Júlia Groppo

Por julia às 05.02.20 631 comentários

631 Comentário em “Sua verdadeira casa”

Deixe seu comentário

A felicidade é aqui (e agora)
A tal da criatividade
O ”ponto morto” da vida tem seu valor
Sobre fios, fases e metamorfoses