Você se faz feliz?

Sempre brinco que é muito fácil eu me fazer feliz. E nem é só pelo fato de que as pequenas coisas me encantam, mas também porque, há alguns anos atrás (mais precisamente em 2015), uma época da minha vida em que eu estava entediada com tudo, decidi fazer um pacto comigo mesma. Mais que chateada, eu estava cansada de me sentir daquela forma. 

Foi aí que, como num basta, decidi prometer a mim mesma: faria algo por mim todos os dias dali pra frente. Não iria dormir sem ter feito ao menos uma coisinha que eu gosto. 

O doce preferido após o jantar. Algumas páginas de um livro novo. Um episódio da série favorita. Um passeio pelo shopping. Um delivery do restaurante predileto. E por aí vai! A verdade é que não importa muito o que seja, desde que você não se esqueça de dar ouvidos e espaço na sua rotina à pessoa mais importante da sua vida: você. E que, nesse caminho construído diariamente, consiga se conhecer cada vez mais. 

De lá pra cá, sigo colecionando os meus pequenos respiros diários (como carinhosamente decidi chamar esses momentos). Afinal, eu sou o meu compromisso mais importante e sincero. Confesso que também já faz um tempo desde que a ideia de deixar para ser feliz amanhã, no final de semana ou quando eu alcançar algum sonho ou meta parou de fazer sentido para mim. E graças a Deus, porque a verdade é que a nossa vida está o tempo todo acontecendo. Todos os dias. E quero me fazer feliz em cada um deles.

E você, já se perguntou o quanto tem se feito feliz? 

Júlia Groppo

Por julia às 03.08.20 Comentários

Deixe seu comentário

A tal da criatividade
O ”ponto morto” da vida tem seu valor
Sobre fios, fases e metamorfoses
Sobre rótulos e o despir-se socialmente