A tal da criatividade

Preciso começar esse texto com uma pergunta simples, mas necessária: você se considera criativo(a)? Muitas pessoas vão responder com um sonoro ”não”, e confesso que já estou esperando por isso. Tudo porque uma grande maioria acredita que a criatividade é como algo mágico que surge em nossas mentes, de uma hora para outra, ou como um dom, com o qual você já deve nascer, caso contrário, não há solução.

A boa notícia é que, na verdade, a criatividade é para todos e está muito mais acessível do que imaginamos. Mas é preciso usar os estímulos certos em nosso dia a dia para, digamos, acessá-la.

Ao longo da minha vida, principalmente por conta dos caminhos que escolhi seguir na carreira, estive muito em contato com esse tema, e fui criando uma rotina que me ajudasse a desenvolver a minha criatividade todos os dias, ou ao menos criar armas para acessá-la sempre que necessário.

Hoje, quero compartilhá-las com você que está aí do outro lado e pode estar um pouco perdido no assunto:

  • Tenha um ”caderno de referências”
    Entre a minha infinita coleção de cadernos (adoro escrever à mão!), está o meu caderno de referências, onde costumo reunir frases inspiradoras – seja de filmes, livros, podcasts, cursos que eu faço, conversas que tenho com amigos etc. Aqui, o céu é o limite. Se você for mais fã das ferramentas digitais, experimente o aplicativo Google Keep ou mesmo o bloco de notas do seu celular. A ideia é reunir, em um mesmo lugar, frases e palavras que podem te dar uma dose extra de inspiração, principalmente em momentos do tão temido bloqueio criativo.
  • Saia da sua zona de conforto
    Apesar de importante, a rotina pode nos deixar acomodados e treinar o nosso cérebro para executar tarefas de uma mesma forma, todos os dias. Para estimular a mente, tente sair da zona de conforto com pequenos passos diários, como mudar a rota para chegar até o trabalho, inverter os horários de algumas tarefas da sua semana e explorar universos diferentes do seu. Se você é fã de livros de suspense, experimente ler um romance. Se é advogado, tente trocar uma ideia com um jornalista. E por aí vai.
  • Cultive momentos de ócio
    O tal do ”ócio criativo” é real, mas em um mundo onde somos cada dia mais pressionados a produzir o tempo inteiro, fica difícil colocar isso em prática, né? Porém, insisto em te pedir: separe momentos da sua rotina para fazer absolutamente nada, ou atividades mais tranquilas, como uma caminhada para contemplar a natureza, assistir uma série ou filme bem leve, praticar atividades manuais, ou seja, deixar a sua mente descansar e, quem sabe, vazia o suficiente para receber novas ideias e insights.

Espero ter ajudado! E se você tiver alguma dica valiosa, compartilha comigo.

Júlia Groppo

Por julia às 13.10.20 24 comentários

24 Comentário em “A tal da criatividade”

Deixe seu comentário

A tal da criatividade
O ”ponto morto” da vida tem seu valor
Sobre fios, fases e metamorfoses
Sobre rótulos e o despir-se socialmente