Sobre dias difíceis

Você mal acorda e o dia já se mostra um daqueles bem difíceis. O mais engraçado é que, quanto mais você pensa “não tem como piorar”, você descobre que tem, sim, da pior maneira possível: coisas ruins continuam acontecendo e aumentando o nível de dificuldade daquele dia. Além disso, a vontade de jogar tudo pro ar e fazer a única coisa que você mais precisa naquele momento só aumenta: voltar para a sua cama – conhecido como o lugar mais quente e seguro para se estar.

Em dias como esse, tenho duas dicas para te dar:

Primeiro, comece sendo teimoso.

Às vezes, o Universo só quer testar até onde ele pode ir com você; até onde você permite jogar o jogo da vida e ser forte o suficiente para levantar após cada queda, independente se for uma leve ou daquelas que deixam algumas cicatrizes. Respire fundo, volte toda a sua atenção para tudo aquilo que você precisa cumprir naquele dia – e também nas coisas boas que você planejou para ele (lembra aquele lance de tornar todo dia um dia bom?) -, e tente esquecer dos tropeços que foram acontecendo. Abra o seu guarda-chuva e proteja-se.

Mostre ao Universo que você também sabe brincar.

Não funcionou? Tudo bem, têm dias que nasceram apenas para darem errado mesmo. Explico: a segunda dica é, simplesmente, abraçar esse tal dia ruim. Com certeza, ele não está acontecendo por acaso – porque nada nessa vida é. O Universo adora brincar com a gente, mas ele também está sempre tentando nos dizer algo. Portanto, feche o seu guarda-chuva e aprenda a dançar no ritmo da música que foi colocada para você. Na chuva mesmo.

Às vezes, estamos tão confortáveis em nossas certezas, que não paramos sequer para prestar atenção no que está ao nosso redor. É por isso que, talvez, precisamos tropeçar aqui para lembrar de olhar para o céu. Cair ali para lembrar de olhar para o chão. E o Universo sabe muito bem disso.

Façamos o seguinte: torce por mim que eu torço por você. Afinal, dias difíceis existem, mas eles foram feitos para serem vividos.

Júlia Groppo

Por julia às 26.10.18 1.524 comentários

Comments are closed.

Portas abertas
Vidas editadas
Sobre lugares que nos (re)conectam com nós mesmos
25