Dieta da mente

Precisamos falar sobre o que consumimos diariamente – e não me refiro aos alimentos.

É verdade que a nossa alimentação é algo que merece devida atenção; cuidar da nossa saúde deve ser um dos primeiros itens da nossa lista de prioridades. Mas, quando digo saúde, me refiro, também, à mental. Mente e corpo trabalham juntos, diariamente, pelo nosso bem-estar; e, mais que isso, interferem no trabalho um do outro quando, de repente, começamos a deixar um dos dois de lado.

A situação mais comum – a julgar pelo meu círculo de amizades e convívio – é a seguinte: todo mundo faz algum tipo de exercício para o corpo, e isso é ótimo. Mas poucos têm noção da importância de malhar, também, o nosso cérebro – ou, ao menos, ser dono daquilo que você permite que esse órgão do seu corpo consome, todos os dias.

Vou dizer onde quero chegar: nas 24 horas que nos são dadas diariamente, temos ao nosso dispor uma infinidade de informações, bombardeadas de todos os cantos do mundo. Somos uma geração que acorda com o celular ao nosso lado (isso se não pegamos no sono rolando o feed do Instagram – e que atire a primeira pedra quem nunca fez isso ao menos uma vez nessa vida). De manhã, com os olhos mal abertos e a mente ainda atordoada com o sono profundo no qual você entrou, começamos a receber notificações de todas as redes sociais possíveis e não hesitamos em pegar o bendito em mãos.

Quando parei para analisar tal situação, percebi que algo estava muito errado. A gente não se dá folga, sabe? Não estamos nos dando o maravilhoso presente que é o devido tempo para respirar; para ser/estar no mundo sem precisar fazer parte de absolutamente tudo o que acontece ao nosso redor. Não estamos tendo noção do que consumimos, todos os dias. Nós apenas recebemos.

Existe uma passagem em Coríntios que gosto muito; minha mãe a repete até hoje para mim. Diz o seguinte: “Tudo me é permitido, mas nem tudo me convém”. Você pode consumir o que quiser. O mundo está aí, nunca antes tão acessível, a um clique de distância. Mas, se quer um conselho, lá vai: filtrar é preciso.

Tenho tentado, cada vez mais, fazer com que a primeira e a última coisa do meu dia não sejam olhar o celular. Quero dar de presente  a mim mesma consumir apenas coisas que me fazem bem – o que não quer dizer alienar-me das coisas, mas consumir o que tem a ver com os meus objetivos de evolução, sejam informações boas ou ruins, mas que, de certa forma, estão me acrescentando. O que fizer sentido, sabe como? – E, aqui, não me refiro apenas às redes sociais, mas às pessoas com as quais convivemos, às rodas de conversa das quais participamos.

Saia de perto, afaste-se, blinde-se. Você não precisa consumir absolutamente tudo o que chega até você. Crie o seu próprio filtro. E se de repente alguma situação for inevitável, escute por um ouvido e solte pelo outro. Se algo te faz mal – ou, pior ainda, não te acrescenta em absolutamente nada -, deixe para lá. Dê unfollow, delete a playlist, silencie o stories, troque o número do celular, deixe de seguir no Facebook, evite aprofundar as conversas.

Proteja a si mesmo de tudo aquilo que não vai te levar a lugar nenhum – seja para frente, ou para dentro de si mesmo.

Júlia Groppo

Por julia às 01.11.18 1.069 comentários

Comments are closed.

Portas abertas
Vidas editadas
Sobre lugares que nos (re)conectam com nós mesmos
25