O pouco e o muito que sei

Grande parte das respostas sobre nossas maiores dúvidas estão dentro de nós. É louco pensar que, mesmo que tudo isso esteja tão aqui perto, tão aqui dentro, não conseguimos descobrir tudo de uma vez só. Levam dias, meses, anos… Trancos e barrancos. É por isso que, para mim, a vida é um presente.

Ela tem paciência com a gente, com o tempo que a gente leva pra aceitar e entender algumas coisas – sobre nós e sobre o mundo. Ela permite que a gente vá caminhando e descobrindo tudo aos pouquinhos, num jogo de aquecer nosso coração pelas novas descobertas sem deixar que nos saciemos para sempre buscarmos mais. Afinal, a evolução é mágica e está sempre acontecendo.

E se de repente você se perder no meio do caminho, o sol se põe, a noite chega e amanhã um novo dia nasce. Do lado de fora e dentro de você. Mais uma chance de viver novas descobertas. E, se for preciso, segundas, terceiras, quartas, quintas chances…

Tem vezes que a gente vai como quem dança aquela música sem apreciar, com pressa de saber a próxima. Mas vou te contar uma coisa que tenho aprendido: o que importa é caminhar para frente e absorver o melhor que cada dia tem a nos ensinar. E se a gente se abrir, tem um tanto de coisa boa escondida nos nossos dias, seja para nos lembrarmos quem somos, seja para descobrir novos pedacinhos de nós.

Recorda sempre que o lance é sair daqui melhor que a gente entrou.

E essa pressa toda aí, é pra quê mesmo?

Júlia Groppo

Por julia às 04.11.18 1.279 comentários

Comments are closed.

A lista do foda-se
Bondade
15 minutos de cada vez
E lá se vai metade de um ano