Sentir

Você aí: já experimentou sentir as coisas? A princípio, essa pode parecer uma pergunta bem tola (e um tanto óbvia). Ao menos era para mim, quando tentavam me dar esse conselho e eu não entendia muito bem o que ele queria dizer. Você deve até estar me questionando: “Mas Júlia, é óbvio que sinto as coisas. Estamos o tempo todo fazendo isso!”. E se eu te disser que não?

No meu caso, a vida foi acontecendo, e aos pouquinhos eu fui assimilando o tal conselho: na maior parte do tempo, estamos tão ocupados em querer resolver os nossos sentimentos – muitas vezes até em escondê-los -, que não nos damos o tempo necessário para, de fato, senti-los. Já vamos logo tentando dar um jeito neles, sem nem pensar duas vezes.

A nossa necessidade em ter tudo muito bem resolvido faz com que passemos por cima de coisas que precisam, simplesmente, serem sentidas. E de onde a gente tirou toda essa pressa em resolver tudo? E aonde está escrito que tudo precisa ser resolvido? Experimente, da próxima vez que for invadido por algum sentimento, fechar os olhos, entrar em contato com você mesmo e se permitir, mesmo que por poucos minutos, sentir de verdade o que está ecoando aí dentro.

Talvez esse texto não faça sentido nenhum para você agora. E tudo bem, pois este foi um conselho que levei um bom tempo para entender e colocar em prática. Mas quando finalmente assimila-lo, volte aqui e leia-o mais uma vez. Quando nos damos tempo suficiente para sentir de verdade, provamos mais da vida em sua essência, além de começar a nos conhecer por completo.

Espero que consiga.

Com carinho,

Júlia Groppo

Por julia às 29.01.20 1.078 comentários

Comments are closed.

Portas abertas
Vidas editadas
Sobre lugares que nos (re)conectam com nós mesmos
25