Sobre lugares que nos (re)conectam com nós mesmos

Existem lugares que nos conectam verdadeiramente com nós mesmos. E não é para menos: eles foram cenários de diversas histórias que hoje podemos contar. Receberam versões de nós mesmos que um dia já fomos, as quais nos trouxeram para o exato momento que estamos vivendo hoje. 

Esses lugares nos abraçam e nos fazem viajar pelas memórias que um dia construímos, pelos problemas que estávamos enfrentando na época – e que graças a Deus já não fazem mais parte da nossa vida -, assim como os sentimentos bons que habitavam nosso coração naquele período. É por isso que gosto de lembrar a mim mesma que nada é para sempre: nem o bom, nem o ruim. Então, se é que posso te dar um conselho, lá vai: se você está enfrentando uma dificuldade, respire fundo, porque vai passar. E se está vivendo um momento especial, comprometa-se a aproveitá-lo da maneira mais sincera e entregue possível, porque ele também vai embora. 

Campinas é um desses lugares para mim. Livrarias de Campinas são ainda mais. Quantas foram as horas em que passei dentro delas, entre prateleiras, dias bons e outros nem tanto, onde os livros foram um verdadeiro refúgio. Gosto de lembrar da Júlia dando os seus primeiros passos por aquela cidade e daquela que saiu dali anos depois ainda mais forte e cheia de memórias (e com muitos livros novos na estante, vale dizer). É assim que vou colecionando lugares pelo mundo que fazem parte de quem eu sou e me reconectam comigo mesma de diferentes formas. 

Lugares por onde passei. Fases que passaram por mim. Tudo passa, afinal. E só a gente fica. Cheio de lembranças, cheio de saudade, mas cheio de ”vida vivida”.

Júlia Groppo

Por julia às 03.06.21 Comentários

Deixe seu comentário

Portas abertas
Vidas editadas
Sobre lugares que nos (re)conectam com nós mesmos
25