E lá se vai metade de um ano

Chegamos à metade de 2021. O ano que começou estranho e seguiu tão desafiador quanto 2020 já nos deu de presente seis meses. E quanta coisa seis meses podem significar… Por aqui, rolaram muitas descobertas, desafios, conquistas e perrengues. Ou seja, de tudo um pouco. Mas, considerando o que eu disse no desabafo que escrevi nas primeira semanas do ano (clique aqui para ler), 2021 já tem deixado uma marca especial em mim, mais do que eu imaginava que seria possível. E quando digo especial, não quero dizer que só coisas boas têm acontecido. A vida nem é sobre isso. Mas que, de certa forma, eu estou aprendendo a dançar conforme a música que este ano está tocando para mim.

É fato que ainda temos seis meses pela frente, e a julgar pelo nosso cenário nacional (principalmente o político e o da pandemia), é natural que já estejamos nos sentindo exaustos. Apesar de sentir que esses meses passaram rápido demais, sinto também que vivi e resolvi muito mais coisas que poderiam caber nesse espaço de tempo.

Foi então que, no dia 1 de julho, para não deixar que essa mistura de desânimo, insegurança e exaustão me dominasse, decidi abrir uma nota do meu tão amado e valioso bloco de notas do celular. Despretensiosamente, comecei a escrever as minhas pequenas e grandes conquistas até aqui, desde 01/01/2021. E foi uma surpresa gostosa ver a lista crescer aos poucos com coisas que realmente significam muito para o meu desenvolvimento pessoal.

Aquilo foi como um grande e forte abraço em mim mesma, me dizendo que, sim, muitas coisas aconteceram nesses seis meses, e que então muitas ainda podem acontecer nos que restam. Portanto, o que eu gostaria mesmo de dizer hoje é para que você não desista de 2021. Seis meses podem já ter passado – e eu não sei exatamente como eles foram para você -, mas ainda temos mais seis pela frente.

É verdade que ainda enfrentamos uma pandemia. Também é verdade que estamos restritos, isolados (uns mais que outros!), ansiosos e dilacerados, cada um a sua maneira, vivendo suas próprias dores e cicatrizes colecionadas desde março de 2020. Mas é verdade também que algumas coisas podem ser feitas, a começar pelas pequenas.

Então, pegue a sua lista de desejos para 2021 em mãos (essa mesmo que você provavelmente escreveu no início deste ano!) e a olhe com carinho. O que dela você já conseguiu realizar e merece ser celebrado? O que ainda vale a pena levar adiante? O que você pode começar hoje mesmo a fazer para que no final do ano as coisas estejam melhores? Pense em tudo isso e, por favor, se dê uma nova chance. Entenda que ainda há tempo. Ainda há muito para acontecer, para mim e para você. Se Deus quiser!

Com carinho,

Júlia Groppo

Por julia às 06.07.21 Comentários

Deixe seu comentário

Sobre o dia em que aprendi a amar as minhas dúvidas
A lista do foda-se
Bondade
15 minutos de cada vez