Carta à Júlia de 17 anos

Querida Júlia,

Quem te escreve isso é a sua versão de 25 anos. É estranho pensar que já se passaram oito anos desde o seu último ano na escola e o primeiro na faculdade. Parece que foi ontem. Aliás, essa é uma das coisas que mais te assusta sobre a vida: o quanto o tempo, de fato, parece voar após os 18. Seus pais estavam certos quando te avisaram sobre isso.

Decidi te escrever porque estamos em uma fase de muitos resgates e (re)descobertas. Sim, aos 25 anos, uma idade em que você jurava que estaria com todas as respostas nas mãos, na verdade está com mais dúvidas, e algumas certezas que você jurava que tinha até então estão escapando das suas mãos. Estamos vivendo uma grande metamorfose. Você vai passar por muitas delas ao longo desses próximos anos, mas a de agora está sendo bastante profunda, intensa e dolorida. Pudera: dos 17 para cá, assim como você sempre desejou e correu atrás (santa teimosia), muitas, mas muitas coisas mesmo aconteceram. De grandes sonhos realizados a muitas quebras de expectativas. Crescer é, sobretudo, dolorido. Mas eu quero que você saiba que sempre tem lutado para que cada fase tenha suas cores e belezas. Afinal, a vida é difícil, mas não deixa de ser boa.

Eu sei que você não vê a hora de começar a faculdade. Lembro como se fosse ontem o quanto janeiro de 2014 foi um mês de muita ansiedade. Mas aquela ansiedade gostosa, na medida certa, que faz a gente se alegrar pelo que está por vir, mesmo sem nem saber o que é. Você queria muito uma nova cidade, novos amigos, novos dias e uma nova chance. Queria recomeçar. Até o cabelo você finalmente cortou mais que apenas os ”três dedinhos” que costumava, e esse foi só um primeiro passo para todos os próximos muitos dedos de cabelo para os quais você dará tchau nos próximos anos. Não se assuste, você vai se reconhecer cada vez mais nesses novos cortes.

É por isso que olho para você com tanto carinho. Sei o quanto você desejou e lutou por esse momento. E já te adianto: você vai aproveita-lo muito bem até chegar onde estamos agora.

Gostaria de te dizer que não venho até aqui te contar apenas sobre respostas. Sinto lhe decepcionar, mas algumas das suas perguntas ainda não foram respondidas e muitas mais surgiram ao longo do caminho. A verdade é que, ao virar adulta (ou tentar se tornar uma, rs), estamos descobrindo o quanto os adultos não sabem de nada. Então, me desculpe se isso vai te assustar, mas ser adulto nada tem a ver com ter controle total sobre a vida. Com saber o caminho das pedras para o sucesso ou a felicidade. Isso não é algo que a idade e a maturidade trazem, tá? Na verdade, elas nos ajudam a entender que a graça da vida está justamente nessa falta de controle sobre qualquer coisa, como o agora. Que dirá com o futuro (risos).

Em alguns momentos, estar sozinha vai ser bastante difícil, afinal, você sempre amou ser rodeada de pessoas. Mas acredite: logo você vai descobrir o quanto é poderoso ser e estar neste mundo em nossa própria companhia. E então, o medo irá embora, dando espaço a algo que vai se transformar na sua maior força: sua capacidade de viver e de ser feliz (ou melhor, de se fazer feliz), independente de ter alguém ou não ao seu lado.

Você não vai se livrar de ”pessoas erradas” na faculdade. Sei que você está com o coração exausto por ter tido que lidar com algumas durante o colegial, mas novas como essas vão surgir. E se é que posso te dar um conselho, entenda que elas sempre existirão. Na faculdade, nos seus estágios, na vizinhança e até em meio aos seus grupos de amizade. O lance está em como vamos aprender a nos proteger delas e a não deixar que mexam com o que temos de mais valioso: a nossa autenticidade.

Eu sei que de vez em quando você tem medo de, em algum momento, por qualquer que seja o descuido, deixar de ser você mesma. Deixar que te roubem da sua essência, te tirem do seu centro ou balassem as estruturas que nos formam do jeitinho que somos (e do qual não abrimos mão!). Mas pode ficar tranquila: nosso relacionamento com quem somos vai apenas se fortalecer com o passar desses anos. E por mais que a gente escorregue às vezes (porque ninguém está ileso a nada nessa vida), de uma coisa tenha certeza: você sempre, sempre mesmo, saberá o caminho de volta. A cada ano, a cada fase, a cada tropeço, a gente aprende uma nova arma que nos ajuda a nos resgatar. A silenciar o mundo lá fora para se reconectar com o nosso de dentro.

E como algumas coisas graças a Deus nunca mudam, você ainda é apaixonada pela Disney, não larga os livros, ama estar com a sua família, coleciona viagens (principalmente as para dentro de si mesma), vive das palavras e ainda sonha em mudar o mundo aos pouquinhos. Por mais que a gente esteja descobrindo agora o quão difícil é lutar contra padrões e realidades socialmente impostos.

Agarre-se em si mesma, não solte a sua mão por nada, não se esqueça das suas raízes, proteja a sua essência, não desista um segundo sequer do que tanto sonha, preserve a sua autenticidade e, o principal: escreva em seus cadernos cada detalhe de toda essa história de altos e baixos que estamos escrevendo juntas. Ao contrário do que todos os filmes que você assistiu até agora dizem, a vida não precisa ser perfeita para valer a pena. É em meio a desafios e sonhos realizados que ela se faz. É a tal da ”vida de todo dia” que a sua mãe sempre te diz, e que fará cada vez mais sentido para nós.

Veja bem, não te escrevo tudo isso para tornar o seu caminho mais fácil, afinal, são todas as difculdades nas quais você vai se esbarrar em breve que me trouxeram até aqui hoje. Se posso desfrutar de tantos ensinamentos, é porquê você vai fazer um ótimo trabalho por nós duas. Escrevo aqui apenas alguns lembretes para te dar força e coragem. Alguns acontecimentos e detalhes eu prefiro que você nem saiba, afinal, não precisamos saber tudo para que valha a pena continuar. As surpresas da vida são um dos temperos mais incríveis dela.

Se tem algo que venho aprendendo com a nossa caminhada é que todas as minhas versões merecem o seu devido valor. Todas elas, dentro de suas realidades e limitações, estão fazendo o melhor por mim. O melhor para me levar até onde tanto desejo, sempre guiadas pela nossa bússola preferida: o nosso coração. E, claro, sem acreditar que o destino tem mais valor que a caminhada, e é por isso que cada uma delas têm o direito de viver aquilo que lhes foi reservado.

Siga em frente com muito humor, fé (principalmente em si mesma), coragem e alma. Você nunca vai se arrepender por caminhar pela vida dessa maneira, ainda que ela se mostre extremamente desafiadora em alguns períodos.

Com toda a sinceridade, amor e respeito do mundo,

Júlia Groppo

Por julia às 20.12.21 Comentários

Deixe seu comentário

Sobre filtros e histórias
Cuide do seu dia a dia
Me despedindo de 2021
Que bom que algumas coisas nunca mudam