Notas sobre a vida

A vida só é a vida porque, para além das coisas incríveis que a gente tem a chance de experienciar, ela é feita de imperfeições. É feita, sobretudo, de coisas absolutamente normais, corriqueiras e, muitas vezes, entediantes.  

As pessoas apertam o “soneca” do despertador mais vezes do que gostariam (e do que seria possível sem que se atrasassem pro tal compromisso).

O café cai na roupa recém-colocada.

A gente rala a lateral do carro na pressa de sair de casa.

Compramos coisas que sequer precisávamos e que nos fazem falhar nas economias que juramos cumprir naquele mês.

Planos dão errado.

Alguns dias são uma merda.

Algumas mensagens pelas quais rezamos baixinho antes de dormir nunca chegam. E outras que a gente gostaria de escrever ficam sempre pro dia seguinte.

A ansiedade bate na porta dia sim, dia não (ou seria dia sim, dia também?).

Fazemos reuniões que claramente poderiam ser e-mails.

Queimamos o arroz.

Deixamos coisas para depois.

Sentimos medo antes de tomar decisões bobas.

Já somos adultos, mas, de certa forma (lá no fundo, sabe?) queremos impressionar os nossos pais.

Compramos cursos que provavelmente nunca vamos fazer.

Colecionamos mais dúvidas que certezas.

Nos deixamos levar por ideias toscas.

Choramos no banho.

Erramos no trabalho (e no namoro, no casamento, nos prazos, com os amigos e também com a família. E, claro, com nós mesmos. Especialmente com nós mesmos).

Fazemos promessas que já sabemos que não vamos cumprir.

Enrolamos anos para ir até aquele médico que juramos não postergar mais.

Vivemos falando que vamos começar as aulas de inglês. E de piano. E de flamenco. E de tênis. E de pintura.

A energia acaba justo no dia que você mais tem entregas para fazer.

A gente deixa meia dúzia de roupa usada (às vezes, sem querer, junto com as limpas) penduradas na cadeira e, quando vê, dá mais trabalho para organizar tudo isso do que se a gente tivesse guardado cada uma delas logo após tirá-las.

A gente ouve umas coisas nada a ver. Fala umas coisas nada a ver. Faz umas coisas nada a ver. 

Mas respira.

Não é que você seja um problema. É que a vida acontece e ela sim é recheada deles. A vida acontece a todo segundo, entre coisas muito legais que a gente jamais imaginou viver um dia e coisas horríveis, injustas, chatas e irritantes que a gente acha que só a gente tá vivendo.

Não deixe as redes sociais te fazerem acreditar que todo mundo aqui arruma a cama todo santo dia. Quer dizer, essas pessoas podem até existir, mas elas com certeza deixam alguma outra coisa meio jogada, mal feita ou resolvida. Não dá para ser perfeito. Além de chato, é humanamente impossível. Afinal, vai contra a nossa natureza.

Vai contra a essência do que é ser humano.

Júlia Groppo

Por julia às 18.05.22 Comentários

Deixe seu comentário

Feito colo de mãe
Não importa o destino: viagens são sempre um reencontro com nós mesmos...
Notas sobre a vida
Sair da zona de conforto não precisa ser tão desconfortável...