Quem sou eu, afinal

Olá, meu nome é Júlia Groppo!

Gosto muito de viver e ainda mais de escrever sobre o que vivo. É por isso que decidi me formar como jornalista, e em 2014 entrei na faculdade de Jornalismo da PUC-Campinas. Mas eu não gosto muito dessa ideia de me apresentar apenas com o que faço profissionalmente, pois vou muito além disso. Olha só:

Tenho 25 anos e nasci em Piracicaba, cidade do interior de São Paulo. Como uma boa ariana com ascendente em Gêmeos, nunca digo não para uma aventura, seja ela dentro ou fora de mim. Vivo em uma eterna busca por mim mesma e grande parte dela se dá observando o cotidiano e as pequenas coisas que me rodeiam.

Atualmente, divido o meu tempo entre o trabalho CLT, cafés (com adoçante, por favor), livros (sim, no plural, pois adoro ler mais de um ao mesmo tempo) freelas (sou estrategista e redatora freelancer <3) e administrar todos os pensamentos que se passam por essa cabecinha, pois, acredite, são muitos. Também gosto de escrevê-los, seja aqui no blog, nas minhas colunas em outros sites ou nos meus infinitos cadernos perdidos pelo meu quarto. Registrar a minha vida é uma paixão antiga da qual não abro mão.

A escrita sempre fez parte de quem sou. Minha história com as palavras é mais uma daquelas clichês de quem cresce grudada com os livros (obrigada, mãe!) e cultiva diários desde a infância. Mas o que não é nem um pouco clichê – apesar de ser uma fã declarada deles – é como decidi trilhar esse caminho.

Gosto de me descrever como uma escritora em busca de histórias que merecem ser contadas, e é por isso que estou sempre de olhos e coração bem abertos para tudo e todos que esbarram em mim pelo caminho. A vida é a minha matéria prima favorita para os meus textos.

Fotografar a rotina, acordar sem despertador, ver filmes repetidos, ir ao cinema, revelar fotos, maratonar séries, brigadeiro, ficar sozinha, conversas sem hora pra acabar, usar batom vermelho, entrar em livrarias, pizza de chocolate, terminar um texto, sorrir para estranhos e conversar com Deus são algumas das coisas que mais deixam o meu coração feliz. E escrever sobre cada uma delas também.

Foi assim que descobri que escrever é a minha forma de sobreviver aos desafios da vida e também como quero deixar a minha marca neste mundo. 

O blog nasceu quando, ao entrar na faculdade de Jornalismo, percebi que já não cabia mais dentro de mim mesma – e nem os meus textos somente nos meus cadernos. Em 2016, decidi cria-lo. E sigo por aqui, pois minhas palavras não cabem em poucos caracteres, tampouco respeitam regras de marketing digital. Elas vêm do coração e quase têm vida própria. Deixo-as livres para saírem de mim e irem para o mundo carregando um pouco de quem eu sou e de tudo o que vivo, sinto e acredito.

Eu caminho por aí com coragem e um pitada de graça – meus ingredientes essenciais para a minha jornada – e procuro me divertir em cada pedacinho que vou escrevendo da minha história. O Jornalismo me escolheu em algum momento, e eu o escolhi de volta todos os dias desde então para contar o meu enredo enquanto escuto os das pessoas que eu encontro entre uma esquina e outra.

Obrigada por ser uma delas e estar aqui comigo. 

Júlia Groppo


A lista do foda-se
Bondade
15 minutos de cada vez
E lá se vai metade de um ano