A importância das minhas idas e vindas – por Caroline Delú

intercambio carol delu.jpg 2

Você já pensou como seria a sua vida sem janelas? Não haveria a luz do sol atravessando o ambiente, você teria sempre a mesma visão, não existiria contato externo, você não poderia enxergar a beleza do que está lá fora, os sons ficariam sempre no mudo e você sempre fechado dentro da sua zona de conforto. Isso é o que acontece quando você não se dá a oportunidade de sair de onde está. Você passa a não ter janelas.

Fazer intercâmbio é muito mais que estudar, trabalhar ou morar no exterior. Vai muito além de apenas aprimorar – ou até mesmo, aprender – um novo idioma. Fazer intercâmbio é mudar a sua visão, enxergar a beleza de outras formas, ouvir novos sons e se abrir para experiências que mudarão a sua vida. Fazer intercâmbio é abrir as janelas, as portas e arrancar os telhados de tudo o que te prende, te sufoca e, acima de tudo, é sair da sua zona de conforto.

Estou aqui escrevendo esse texto porque tive a oportunidade de fazer quatro intercâmbios ao longo da minha vida, com planos de aumentar esse número e com um sonho imenso de morar no Canadá. Mais do que apenas dividir um texto falando sobre o que um intercâmbio poderá, talvez, fazer com você, quero dividir como um, dois, três, quatro intercâmbios me fizeram ser um ser humano melhor, uma profissional preparada e fizeram um avião se tornar a minha zona de conforto – apesar de eu ter medo de altura.

A partir do momento em que você decide que é hora de bater as asas, precisa compreender que elas não se encaixam em todos os lugares e que nem sempre você terá o conforto de batê-las quando bem entender. É por isso que você aprende a ser flexível, a lidar com situações que fogem do seu controle, e entende que respirar até dez é melhor soltar um grito.

Sentimos medo. Desde o momento em que cogitamos ir passamos a sentir medo. Medo de não dar certo, de estar longe, de ir embora, de passar por situações ruins sem ter os pais ao lado, medo do desconhecido. É ai que você aprende a transformar o medo em ação e percebe que, mesmo que às vezes nada saia como quer, você ao menos tentou, e cada vez mais se enxerga como sinônimo de coragem. Transforma sua insegurança, enfrenta seus pesadelos, se fortalece e aprende a bater asas lá do alto da sua janela.

A parte mais difícil é adaptar-se. Você precisa falar outro idioma, morar em outra casa, criar novos hábitos, comer comidas diferentes, beber café mais fraco, ter um novo ciclo de amigos, entender como funciona uma nova cidade, um novo país, um novo povo e tentar seguir uma cultura completamente nova. Confesso a vocês que leva um tempo. É preciso digerir todas as informações e, em muitos dias, a única coisa que fará o alívio vir são as lágrimas. E nisso, você aprende tanto…

Aprende a se desenvolver como ser humano. Aprende que a educação que você recebeu foi essencial até aquele momento, mas que a partir dali, o mundo te ensinará tudo o que não é possível passar de pessoa a pessoa. Você vai aprender sobre si mesmo e sobre como pode ser melhor para você, para quem te cerca e para o mundo. Entende que você não pode controlar tudo, mas que é normal, e que, uma hora ou outra, as coisas entram no eixo, e o seu eixo pode estar de ponta cabeça, com formato estranho, com sons e cores diferentes, e até mesmo, no meio de um lugar que você havia se visto antes.

Quando percebe, está vivendo fora da sua normalidade e sente prazer nisso.  Não mais medo. Sente necessidade de ter cada vez mais janelas ao seu redor e pula de alturas muito maiores que a primeira. Sente palpitação em ver seu nome em um bilhete de embarque, entusiasmo de estar sentada na poltrona da janela. Busca pelo novo e pela oportunidade de fazer tudo diferente. Não se contém em felicidade por ver sua vida em constante movimento, mesmo que em rotas diferentes, estradas desconhecidas e aprendendo a pensar em outro idioma. Digo por experiência própria o quanto um intercâmbio pode te mudar.

Foram seis meses sendo estudante de Inglês em Toronto, um mês liderando um grupo de adolescentes em Vancouver, três meses aprimorando meu lado profissional com um curso de Business English em Toronto e três meses sendo cast member na Disney. Minha evolução como pessoa me trouxe até aqui hoje para dividir um pouco sobre como é pular, sem paraquedas ou instrutor, de alturas tão grandes que te fazem amadurecer absurdamente. Vai dar medo (muito medo) e você se perguntará todos os dias se está no caminho certo. Mas uma coisa eu te garanto: VOCÊ ESTÁ E VAI VALER A PENA. É por isso, e por ser muito mais feliz hoje, que eu digo: você deve fazer um intercâmbio.

Com amor à vida e à escrita,

Caroline Delú

Por julia às 24.02.16 923 comentários

923 Comentário em “A importância das minhas idas e vindas – por Caroline Delú”

A tal da missão de vida
Desafiando minha rotina
Ano novo, vida nova?
O que você deixou cair pelo caminho?