Segunda-feira, 22h15

A gente com certeza não espera que a felicidade venha bater à nossa porta em uma segunda-feira; mas acreditem, pode rolar. Não precisa ser numa sexta e nem em um feriado; eu juro, juradinho. Lá estava eu, chateada por ter perdido dois shows de grandes artistas que eu admiro, em uma tacada só; eu não assisti a nenhum deles tocar em São Paulo e não podia acreditar em tamanha má sorte. Lá estava eu, também, apreensiva com tudo e mais um pouco. Quem dera fossem “só” os shows…

Mas e o próximo ano? E minha carreira? E o TCC? E minhas escolhas? E as novas responsabilidades surgindo? E a vida adulta chegando? E a pressão pela vida perfeita? E a idealização de tudo? Ufa. Dá preguiçamedoafobação só de escrever. Nunca estive tão perdida. Entre vontades, sonhos, medos e inseguranças. Mas acredito que também a vida nunca me mostrou tanto o quanto ela pode surpreender nas pequenas coisas. A vida, ah… Ela é esperta; danada, louca, imprevisível (eu amo e odeio tanto isso). Ela surge, dentro da gente, bem lá no fundinho, arrancando um sorriso mesmo em um dia extremamente frio de Campinas, mostrando que há sempre um novo dia pra mudar tudo de novo (e de novo). Dentro da gente e ao nosso redor. Sempre há uma nova semana, uma oportunidade, uma mensagem. Alguém que se aproxima, um tropeço que te faz enxergar as flores no chão, um abraço que te faz sentir que é muito claro que tudo vai ficar bem. Sempre tem um Deus ali, nos detalhes, mostrando que, sim, Ele está trabalhando por você. E se não tem nenhuma novidade, continua prestando atenção no que já existe ao seu redor, que o segredo pode estar mais próximo do que você imagina. O novo vai estar no velho.

Experimenta dar uma procurada naquilo que você já tem, naquilo que está dentro de você, que é lá que a resposta vai estar. No que você já é, no que conquistou, no quanto lutou, nos tropeços, nas tentativas que resultaram no erro; na sua essência. Eu já li isso em tantos lugares e custava a acreditar. Mas acho que é um clichê daqueles que vale a pena, sabe? Porque é real. Já me peguei procurando a felicidade em tantos lugares e pessoas. Tantas tentativas frustradas e em vão. Ela tava bem aqui… Aqui, sabe?

Nesta segunda-feira, eu encontrei os meus minutos de paz, felicidade e esperança. E tô aqui vivendo feliz da vida. Fiz um belo brigadeiro (tive que emprestar leite condensado. Obrigada, menina do apartamento 6). E que dure só agora, não importa, eu só espero poder lembrar desse sentimento nos dias mais cinzas, onde sei que vou estar com minha fé abalada não só na vida e no mundo, mas também em mim mesma. Espero lembrar dessa sensação de ser capaz de abraçar o mundo com minhas mãos, de me sentir parte de tudo de bom que faz ele girar para o bem.

Não tem problema se tudo ficar escuro novamente… Há de vir outra segunda-feira como esta.

God is working.

Júlia Groppo

Outubro/2017

Por julia às 20.03.18 1.193 comentários

Comments are closed.

Aqueles que tornam a nossa jornada mais feliz e possível
Por favor, reassista os seus filmes preferidos
Sobre o dia em que aprendi a amar as minhas dúvidas
A lista do foda-se