Com emoção, por favor

Quando eu era criança, uma memória constante dos dias de férias na praia me leva de volta até os passeios de Banana Boat. Posso dizer que aquilo para mim era a maior aventura do ano, e o quanto eu me sentia corajosa por estar ali em cima. Lembro, também, que o cara que pilotava o barco nos fazia sempre a mesma pergunta: “Pessoal, é com ou sem emoção?”. Essa frase nunca saiu da minha cabeça. Apesar de na época não a entender muito – afinal, eu era só uma mini Júlia tentando descobrir o que eu fazia no mundo -, ela me marcou. E, por conta disso, carrego-a comigo desde então. Louco como podemos levar detalhes da nossa infância conosco, né?

O que quero dizer com tudo isso é que eu sempre pedi à vida que me trouxesse emoção. No dia a dia, nos desafios que ela me propusesse, nas pessoas que ela colocasse no meu caminho. Sempre perguntava a mim mesma: ”É com ou sem emoção, Júlia?”.
Dia desses, ousei reclamar com ela pedindo um pouco mais de calma. Foi aí que me lembrei: eu mesma que sempre pedi a tal da emoção. Ela, bem educada, me recordou dessas tantas vezes em que eu jurei que, sem emoção, não teria graça.
Tudo bem, vida. É com emoção, por favor. Todos os dias.
Júlia Groppo
Por julia às 11.12.19 1.023 comentários

Comments are closed.

Portas abertas
Vidas editadas
Sobre lugares que nos (re)conectam com nós mesmos
25