O que aprendi com o meu filhote de cachorro

Tenho uma nova melhor amiga. Depois de alguns anos da partida do Melão, o último cachorro que tive, a Nicole chegou na família. Nunca tinha tido um filhote. Quando nasci, meus pais já tinham o Kiro, o primeiro cachorro com quem tive contato. Já o Melão foi encontrado na rua pelo meu avô e, na época em que o adotamos, a veterinária nos disse que ele já devia ter entre dois e três anos de idade.

Agora, com ela em casa, tudo está sendo novo. Cachorros dependem muito dos cuidados de seus donos, e um filhote requer isso em dobro. E foi vivendo todo esse processo e observando a Nicole que cheguei ao aprendizado deste texto.

É engraçado assistir um filhote dando os seus primeiros passos. E aqui, acredito que algumas mães podem concordar comigo quando o assunto são os bebês (salvas as proporções, é claro!). Tudo é novidade, qualquer novo passo é um desafio e qualquer descoberta vira motivo de felicidade – nossa e deles.

Observando a Nicole (sim, tenho passado boa parte do meu tempo fazendo isso rs), comecei a desejar que todos nós pudéssemos ser um pouco como ela durante toda a vida. Quando crianças, temos um olhar de desejo para o mundo, mas sem deixar de lado as pequenas (grandes) conquistas que estamos vivendo no presente.

Outra coisa que sinto que perdemos ao longo dos anos é a curiosidade. Apesar dessa ser uma característica bastante aguçada em mim – muito culpa da jornalista que habita aqui dentro, rs -, a correria do dia a dia e as milhares de responsabilidades escritas em uma agenda nos tiram uma energia valiosa: a de buscar o novo e o diferente, e principalmente a de nos encantar por todo esse processo.

Nos últimos meses, passei a refletir bastante sobre isso. Nicole me ensinou, sem ao menos saber, a lembrar mais da Júlia criança e usá-la como um norte para nunca me esquecer de que sempre teremos muito a buscar, conhecer e aprender neste mundo. E que então essa jornada deve ser gostosa e aproveitada como quem está dando os primeiros passos. Vivendo primeiras vezes.

Desejo que eu possa ser mais como ela, ou como a Júlia de muitos anos atrás. E desejo que você aí também consiga o mesmo.

Júlia Groppo

Por julia às 26.11.20 355 comentários

Comments are closed.

Aqueles que tornam a nossa jornada mais feliz e possível
Por favor, reassista os seus filmes preferidos
Sobre o dia em que aprendi a amar as minhas dúvidas
A lista do foda-se