Prometa-me desacostumar

Em um dia qualquer de 2020, me peguei desejando algo: que eu não me acostume, com nada nessa vida.

É que me dei conta, entre um devaneio e outro, que a gente se acostuma demais. Com as pessoas do nosso convívio, com a rotina de todo dia, com os cheiros e sabores preferidos. Com as belezas ao nosso redor, com as coisas que a gente faz porque gosta – e até com as que a gente faz mesmo sem gostar.

Que chato se acostumar com algo que pode ser sempre uma delícia de ver, ser, sentir ou fazer. Com algo que pode sempre colorir um pouco mais os nossos dias. É como um anestésico para a vida. Então, ali mesmo, firmei um compromisso comigo mesma: desacostumar e poder olhar para cada uma dessas coisas como se fosse a primeira vez. E que o que não é bom, mas virou costume, trate de virar passado. Porque se acostumar com o que é ruim é tão perigoso quanto se acostumar com o que é belo.

Hoje, gostaria de te convidar a fazer o mesmo. Prometa-me desacostumar. E eu te prometo uma vida com mais significado. Combinado?

Júlia Groppo

Por julia às 08.01.21 Comentários

Comments are closed.

A lista do foda-se
Bondade
15 minutos de cada vez
E lá se vai metade de um ano