Uma vida toda para me (re)descobrir

Vai levar uma vida toda para eu me conhecer. E, ainda assim, acho que nunca conseguirei por completo. 

Mas sigo aqui, tentando entender cada pedacinho que me forma. Têm coisas que eu não escolhi para mim, mas que, inevitavelmente, fazem parte de quem sou de uma maneira muito profunda. Têm outras que eu gentilmente vou colecionando pelo caminho e torno parte de quem eu quero ser dali em diante. Aos pouquinhos, vou me formando. Às vezes, reformando. Nunca para caber em um lugar ou obedecer alguma regra, padrão ou imposição. Mas sempre para tornar o lado de dentro cada vez mais confortável. Aconchegante. Acolhedor.

Quando você acha que está próximo de ter o mapa completo de quem você é, vem uma situação nova na sua vida que te apresenta a uma nova faceta de si. E então, de primeira, você se assusta, mas também entende que aí dentro moram muitas coisas. Nem somente boas, nem somente ruins, mas inteiramente suas. 

O autoconhecimento salva. Guia. Diverte. Bate também, mas aposto todas as minhas fichas nele. Invisto tempo, dinheiro e fé nessa ferramenta de grandes descobertas de si. Sempre valerá a pena (re)descobrir quem é essa com quem esbarro toda vez que olho para um espelho. 

Júlia Groppo

Por julia às 23.03.22 Comentários

Deixe seu comentário

Sair da zona de conforto não precisa ser tão desconfortável...
Sobre emoções não tão legais de serem sentidas
Deixe a vida te tornar um ”sortudo”
Nossa natureza é a imperfeição